Marize Castro – Uma mulher que se abre

Em prosa poética, Marize Castro explica o que
acontece quando uma mulher se abre.

Quando uma mulher se abre o que há de mais solitário se alarga. Espantalhos de dor se mostram e se decompõem. Flocos de agonia se aproximam. Crescem perdas. Voam conchas.
Uma mulher que se abre é uma mulher mergulhada em anáguas e sendas. Saltando sobre a luz. Deram-lhe lanças e um falso espelho para enganar as feridas.
Quebrada, ela conduz corações ao túmulo. Esperando que uma nova morte traga-lhe nova grinalda e novo véu.
Em surdina, uma mulher que se abre deseja o esquecimento e a maternidade. Quer parir, dormir, trepar. Morte à memória!
– O mundo não corrompe quem habita os subterrâneos.
Disse-lhe um livro com o sol no ventre.
O extravio de uma mulher que se abre é um deslumbre. Uma significação doce e mórbida. Possui a beleza e está carregado de hóstias e sepulturas.
Moças e rapazes, caindo em abismos, sustentam essa mulher aberta. Beijam-lhe o útero exposto.
Afogado em seus cabelos, ela se arqueia na esperança que o amor, quando novamente acontecer, não traga algemas.
Uma mulher que se abre é pedra, cratera, rio, relíquia.
Traz na língua o perdão e suas chamas.

Fonte: Diário de Natal; edição de 18 de julho de 1999.

Anúncios

Tony Roberson de Mello Rodrigues – Lágrimas Lapidadas; verso que te quero povo

O colega e escritor Tony Roberson de Mello Rodrigues disponibilizou dois dos seus livros para download gratuito no portal Recanto das Letras: Lágrimas Lapidadas (1998) e verso que te quero povo (2003). Mais uma boa dica para quem está procurando o que ler nas férias.

Lágrimas Lapidadas (1998): http://www.recantodasletras.com.br/e-livros/3061107

SINOPSE: Este é o livro de estreia do autor, que não apenas escreveu o livro como o revisou, diagramou, criou a arte da capa e da contracapa. Contendo poemas, histórias e aforismos, foi lançado durante a Mostra do Potencial Educativo da antiga Escola Técnica Federal de Santa Catarina (hoje CEFETSC), Florianópolis, em outubro de 1998, com tiragem de apenas 190 exemplares. São poemas que tratam em sua maioria de amor, problemas sociais e memória, e prosas que versam principalmente sobre o cotidiano do autor, então com 18 anos e todos os sonhos do mundo. A digitalização e disponibilização desta obra tem, dentre os objetivos principais (e despretensiosos), o de possibilitar ao leitor o acompanhamento da evolução da escrita do autor entre a publicação deste livro (1998), a do livro verso que te quero povo (2003), e os textos literários disponíveis atualmente aqui no blog do autor e no site Recanto das Letras.

verso que te quero povo (2003): http://www.recantodasletras.com.br/e-livros/3039810

SINOPSE: Este livro contém poemas nas mais variadas estruturas de composição, com predominância de trovas, sonetos e versos livres. Nele há grande utilização de paródias (principalmente políticas), intertextualidade para com textos já consagrados na literatura brasileira e portuguesa mundial, apelo à reflexão sobre problemas sociais, principalmente ecológicos, e algumas experimentações com o erotismo, além de um forte apelo ao tom memorialista (pessoal ou histórico) de muitas das poesias. Livro publicado com recursos financeiros de amigos, e que alcançou com muito orgulho uma primeira tiragem de 1000 exemplares. Da escrita e revisão dos poemas, passando pela organização e diagramação do livro e criação da capa, todo o projeto foi feito pelo próprio poeta, que já havia lançado seu primeiro livro, Lágrimas Lapidadas (1998), com poemas e crônicas, e agora se prepara para lançar novo livro de poemas e prosas.

Férias, livros paradidáticos e diversão

Eu sei que a maioria de vocês vai morrer de saudades de acordar de madrugada, sair da cama quentinha e pegar aquele frio delicioso deste nosso inverno polar para ir à escola ler sobre, entre outras coisas, caras que já morreram há quinhentos anos e deixaram cartas muito marotas sobre as indiazinhas brasileiras, então resolvi amenizar um pouco essa perda insuportável que vocês vão sofrer nesses dias de “descanso”.

Coloquei mais alguns ótimos contos na seção de dicas permanentes. São textos excelentes, de linguagem acessível e com aqueles finais de dar nó no cérebro, do jeito que vocês gostam. Portanto, divirtam-se!

Livros paradidáticos

Além disso, dessa diversão toda, não podemos esquecer da parte que, além de divertida, é curricular: os livros paradidáticos. Devo confessar que o termo “paradidático” me deixa preocupado. Sempre lembro de paramédicos, de 192, de algum daqueles programas de TV sobre emergências, enfim, mas ao mesmo tempo lembro que a leitura [e a escrita] pode[m] ser um ótimo remédio para a mente. Vamos por partes, diria o Jack:

  • 1º ANO:
    • Caminhos errantes da liberdade [Jorge Miguel]: o trabalho consistirá numa questão a ser respondida com bastante argumentação e naquele clássico formato dissertativo: o que justifica o adjetivo “errantes” do título do livro? Escolha pelo menos dois dos oito contos e compare-os, tendo em vista a questão acima. Data de entrega: 12 de Agosto. A atividade valerá para o 2º trimestre.
    • Os meninos do banhado [Edith Brockes Tayer]: faremos uma tarefa avaliativa em sala de aula, portanto, façam a leitura do livro antes do dia 23 de Setembro. A atividade valerá para o 3º trimestre.
  • 2º ANO:
    • Vocês entregarão uma resenha crítica sobre o livro Profissão: Jovem até o dia 12 de Agosto.
    • No dia 23 de Setembro teremos a apresentação dos trabalhos sobre O Cortiço [Aluísio de Azevedo], que serão feitos em grupo. A ideia é simples: cada grupo vai escolher uma cena ou trecho do livro e representá-la ou recontá-la de alguma forma. As opções ficam a critério de vocês. Aceito audiolog, videolog (para qualquer um destes dois, faça um roteirinho antes), encenação teatral (tente utilizar as habilidades aprendidas nas aulas de Artes; peça ajuda à professora), composição musical, enfim, usem a criatividade.
  • 3º ANO:
    • Como venho frisando para vocês desde as primeiras aulas, temos uma lista de obras, que são as obrigatórias do vestibular. Cabe a nós a transformação dessa obrigatoriedade em diversão. Já discutimos O pagador de promessas [Dias Gomes] e Inocência [Visconde de Taunay]. Ainda temos uma lista considerável e precisamos dar conta dela independente dos conteúdos a serem vistos. Aproveitem as férias, leiam, anotem, façam paralelos com outras leituras, com filmes, músicas, enfim, mergulhem nas leituras, absorvam o que elas têm de melhor a oferecer. Isso vale mais que pontos numa prova.

Desejo ótimas férias e boas leituras a todos!

Simulado II: conteúdos

Os conteúdos para nosso segundo vestibular simulado deste ano serão:

  • 1º ano: a Carta de achamento do Brasil, de Pero Vaz de Caminha, e algumas questões  interpretativas relacionadas a ela e à literatura desse período; questões sobre o conceito de Alteridade, conforme discutido em sala de aula.
  • 2º ano: as novas conjunturas sócio-econômicas e culturais do Brasil do início do século XX e suas influências na Arte e na Literatura do período; uma questão sobre o poema Psicologia de um vencido, de Augusto dos Anjos.
  • 3º ano: Arte e Literatura barrocas; duas questões interpretativas sobre um poema de Gregório de Mattos; uma questão relacionando a carta a El-Rei D. Manuel (Pero Vaz de Caminha), os Sermões (Padre Antônio Vieira) e Inocência (Visconde de Taunay); uma questão sobre a noção de cânone literário (diferente de cânone religioso).

Bons estudos!