Semíramis Corsi – Ultra-romantismo e rock

Ultra-romantismo e rock: universo macabro, egocentrismo e mortes precoces

Semíramis Corsi

Lemos na aula de 5/ago alguns poemas emblemáticos do Romantismo brasileiro, conversamos sobre as características desse modo de pensamento e de criação artística e observamos a influência da filosofia romântica na música, principalmente nos anos 80, através de temas como o amor e a morte, além do clima sombrio e macabro de muitos textos (como o clássico Noite na taverna, de Álvares de Azevedo). Para ajudá-los a entrar no clima do tópico, elaborei uma playlist com vários artistas dos anos 80 que, explícita ou implicitamente, tem alguma ligação com esse universo romântico. Aumentem o volume e dancem. (é só clicar neste link para abri-la)

O rock como expressão musical e estilo de vida, que se tornou ao longo dos anos, prega, em geral, a rebeldia contra os costumes vigentes, ataca o sistema capitalista, incluindo, de certa forma, a religião oficial, o que muitas vezes rendeu aos rockeiros erroneamente e sem exceções o título “anti-Cristo”. O rock expressa o hedonismo, a busca máxima de prazeres terrestres (drogas, sexo) – é o Carpe Diem e a filosofia epicurista levados ao seus extremos, de maneira que faz Horácio* revirar na tumba. O rock prega também o individualismo, a vontade própria acima de todas as outras, o ser diferente e não massificado, chegando ao descontrole de alguns rockeiros brigarem por suas bandas como no recente caso acontecido na cidade vizinha de Franca/SP. Antes de continuar devo salientar que meu objetivo não é fazer uma crítica mordaz ao estilo de vida rock’n’roll… longe de mim que gosto de rock com todas as letras, mas apenas colocar alguns traços deste movimento, o que não quer dizer que são fielmente seguidos por todos, mas principalmente pelas “estrelas do rock”…. e é delas que este texto trata.

Também com o intuito de contrapor a certos valores racionalistas e materialistas burgueses, alguns autores do movimento romântico na literatura, passam a se expressar artisticamente, criando uma literatura fantástica, satânica, degradante, com textos que podem ser identificados com sonhos, loucuras, mistérios, e MORTE. Trata-se dos autores ultra-românticos (segunda geração da poesia romântica e prosa gótica). Com estes autores a literatura ganha novos rumos, sem o comprometimento com o nacionalismo (primeira geração de poetas românticos). Descrentes com as idéias que levaram à Revolução Francesa e sem projetos político-sociais (preocupação dos poetas da terceira geração), estes autores voltaram para si próprios, em uma atitude pessimista para com a vida, vivendo entediados com o mundo burguês e esperando pela morte (forma de expressar sua indignação com a realidade).

No rock, associar músicas com o diabo, com o macabro, com o universo pessimista, depressivo e com a morte latente, não é  um privilégio do ESTILO GÓTICO. Como, por exemplo, o heavy metal (Black Sabbath e Iron Maiden), o pós-punk, “deprê” e dark (Joy Division, The Cure e Bauhaus) e até mesmo compositores que não tem lá suas identificações com as roupas pretas, como Raul Seixas (“O diabo é o pai do rock…”, lembra?) e Beatles (lembra da capa do CD Sgt. Peppers e de canções como Year blues e Revolution usadas por Charles Manson em seus assassinatos?).

Porém, o ponto mais curioso de encontro entre estas duas manifestações artísticas (tanto rockeiros como autores ultra-românticos) está em outra identificação em comum que eles compartilham: as mortes prematuras e trágicas banhadas a álcool e drogas. Ambos buscam levar uma vida inadequada à realidade, sendo, na maioria das vezes, considerados pela sociedade como marginais e “malditos”.

Neste sentido, podemos citar casos como o de Álvares de Azevedo (1831-1852), principal poeta do ultra-romantismo no Brasil, morto aos 21 anos de idade vítima do mal do século – tuberculose; Casimiro de Abreu (1839-1860), que apesar de não ter toda a atmosfera negra e pessimista de Álvares, também morreu jovem aos 21 anos de tuberculose; Fagundes Varela (1841-1875), poeta amargurado, boêmio e marcado pela morte do filho com três meses de vida e Junqueira Freire  (1832-8155), obsidiado pela morte, depressivo, morreu aos 23 anos de problemas cardíacos que o molestavam desde a infância.

Tratando-se dos rockeiros, podemos citar os casos de Ian Curtis, vocalista da banda inglesa Joy Division, se enforcou em 1980 aos 23 anos, suas letras densas foram grande inspiração para o brasileiro Renato Russo, também morto jovem e tragicamente de AIDS. Os três Js do rock: Janis Joplin, Jimy Hendrix e Jim Morrison, todos grandes nomes deste estilo musical, levaram um estilo de vida semelhante, marcado pelas drogas e morreram aos 27 anos em decorrência de overdoses. O guitarrista Brian Jones, um dos fundadores dos Rolling Stones, morreu aos 27 anos por motivos ainda improváveis. Também Kurt Cobain morreu aos 27 anos (a tenra e trágica idade no rock!) com um tiro na cabeça disparado de sua própria arma. Outro caso é o de Sid Vicious, baixista dos Sex Pistols e grande marca do movimento punk, abusou das drogas a ponto de matar a própria namorada em uma briga, estavam tão dopados que não perceberam o ferimento (Cena mostrada no longa metragem Sid e Nancy),  morreu meses depois de overdose, aos 21 anos.

Estes são apenas alguns nomes mais conhecidos que levam-nos a identificar estas duas expressões artísticas em vários pontos, manifestando-se em diferentes artistas, alguns com total analogia, outros com algumas semelhanças apenas… resta-nos a idéia de que enquanto aqueles morriam de suicídio ou de tuberculose, causada pela vida boêmia regada a absinto, estes morrem de overdoses, suicídios e do novo mal do século: a AIDS… todos jovens demais…

* Poeta romano (65-8 a.C) idealizador da filosofia do carpe diem, curtir o dia como se fosse único, baseado na filosofia epicurista da busca do prazer máximo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s