Ítalo Moriconi – Os Cem Melhores Contos Brasileiros do Século

Recomendo muitíssimo a leitura (e a aquisição) do livro “Os Cem Melhores Contos Brasileiros do Século”, uma antologia organizada por Ítalo Moriconi com alguns dos mais representativos textos desse gênero textual.

Para quem quiser dar uma espiada antes de comprar, aí está:

Italo Moriconi – Os cem melhores contos brasileiros do século

Alunos do 1º ano, não esqueçam de nossa próxima atividade: escolham dois contos à vontade, leiam, façam anotações, comentários, enfim, mergulhem no texto. Haverá uma avaliação, que explicarei nas próximas aulas, envolvendo essas leituras.

Abraço!

Graciliano Ramos – Baleia

A cachorra Baleia estava para morrer. Tinha emagrecido, o pêlo caíra-lhe em vários pontos, as costelas avultavam num fundo róseo, onde manchas escuras supuravam e sangravam, cobertas de moscas. As chagas da boca e a inchação dos beiços dificultavam-lhe a comida e a bebida.
Por isso Fabiano imaginara que ela estivesse com um princípio de hidrofobia e amarrara-lhe no pescoço um rosário de sabugos de milho queimados. Mas Baleia, sempre de mal a pior, roçava-se nas estacas do curral ou metia-se no mato, impaciente, enxotava os mosquitos sacudindo as orelhas murchas, agitando a cauda pelada e curta, grossa nas base, cheia de moscas, semelhante a uma cauda de cascavel. Continuar lendo

Edgar Allan Poe – O retrato oval (conto)

I

O castelo que meu criado resolvera arrombar a fim de evitar que eu, gravemente ferido estava, passasse a noite ao relento, era uma dessas construções portenhosas, a um só tempo lúgubre e grandiosa, que há séculos assombram a paisagem dos Apeninos e também povoam a imaginação da senhora Radcliffe ¹. Ao que tudo indicava, o edifício fora abandonado há pouco e de modo temporário. Acomodamo-nos num dos aposentos menores, mobiliado com menos suntuosidade que os demais e localizado num torreão afastado do castelo. A decoração rica, embora degastada e antiga. As paredes, cobertas por tapeçarias, também eram adornadas não só por inúmeros troféus de armas dos mais variados formatos, bem como por uma quantidade excessiva de pinturas modernas muito vivazes, emolduradas por ricos arabescos dourados. Talvez o delírio que me acometera tivesse sido a verdadeira causa de meu profundo interesse por essas pinturas, por esses quadros que pendiam não apenas diretamente da superfície das paredes, como também se revelavam nos incontáveis nichos ali presentes, criados conforme o estranho estilo arquitetônico do castelo. Continuar lendo

Tarefa: Crônica

Olá, pessoal.

Para fazer a atividade da crônica, sigam os seguintes passos:

  1. Escrevam a crônica em um arquivo no computador de vocês para não correr risco de perder nada;
  2. Entrem no http://titanpad.com
  3. Escolham a opção “Create Public Pad” [o botão azul grandão] e colem o texto ali.
  4. Copiem o link que vai estar na barra de endereços mesmo (e geralmente é algo parecido com isto: http://titanpad.com/O9AnwrcX5j )
  5. Testem para ver se deu certo; copiem o link e colem em uma nova aba do navegador (Internet Explorer, Firefox, Chrome, etc).  Se o texto está lá, funcionou.
  6. Enviem para mim por e-mail: sandrobrincher@gmail.com

Ainda em dúvidas? Fiz um vídeo explicando tudo:

http://screencastle.com/watch/8d8935def0fbd7e7fab27e30fcb72791

Abraço.

Pesquisa sobre o samba: temas

Há muitas boas ideias circulando entre os grupos para nossa pesquisa sobre o samba. Vou procurar citar neste post algumas boas fontes para discussão de alguns temas que vocês selecionaram. À medida que novas fontes surjam, atualizo o texto. Façam suas sugestões nos comentários.

Alegria / Felicidade

Um dos primeiros sambas a receber gravação no Brasil, Pelo telefone (gravado por Donga em 1917), anuncia em seus versos: “É deixar mágoas pra trás, ó rapaz / Ai, ai, ai / Fica triste se és capaz e verás”, celebrando a alegria atribuída ao Carnaval. Diz uma conhecida canção de Tom Jobim e Vinicius de Moraes: “Tristeza não tem fim / Felicidade sim”. Pois é a partir dela que o programa de rádio Contando Música, apresentado por Ivan Santos, apresenta um repertório bem eclético onde a alegria (e, por extensão, felicidade) é o assunto principal, mostrando que esse é um tema importante não só no samba, mas na música brasileira como um todo.

1º bloco do programa


Tristeza

Ironicamente, a tristeza está de mãos dadas, muitas vezes com a alegria, seja como oposto desta, seja como seu “fantasma”: quando a alegria acaba, a tristeza assume inevitavelmente o posto. Para o sambista, a tristeza pode ser uma aliada: “Mas pra fazer um samba, um samba com beleza / É preciso um bocado de tristeza / Senão não se faz um samba, não”, diz outra letra de Vinícius de Moraes. A tristeza marcou a época do samba-canção (não, não se trata de um tipo de cueca), além de muitos outros gêneros de samba. É um dos grandes temas do samba brasileiro.


Amor

Um dos grandes temas universais não só da música, mas da literatura, do teatro, do cinema, enfim. Também por isso é um dos mais difíceis para ser trabalhado em nossa pesquisa. Na hora de definir o tema, pensem, por exemplo, em algumas questões: de que tipo de amor vamos falar? Amor de mãe, de pai, dos avós? Amor correspondido? Amor platônico? Amor doentio? Amor proibido? É a partir dessas perguntas que este tema vai ficar menos genérico e, portanto, mais fácil de ser analisado nas canções.


Saudade

Se excluirmos o amor, que para muitos é o “grande tema” da humanidade – ou aquele que motiva todos os demais -, seria fácil criar uma santíssima trindade do samba baseada em 3 temas; os dois primeiros desta lista e mais a saudade. “Não perde sentido o lamento / Nem o meu pranto de dor / Não existindo saudade não existe amor”, cantam os versos do samba “Saudade e Flores” (do grupo Os Originais do Samba). Já a canção de Arlindo Cruz é mais direta: “Fiz uma canção / Pra declarar minha saudade / Do tempo em que a alegria dominou meu coração”. A saudade é mais focada, há alguém de quem se sente saudade. Pense nestas questões e nas outras que discutimos em sala de aula e faça a sua própria leitura das letras escolhidas.

Planejamentos mensais – 1º ano

1 aulas de 50 minutos às quartas; 1 aulas de 50 minutos às sextas; Total de 81 aulas no ano letivo de 2011.


FEVEREIRO

2 dias letivos: 23 e 25.

Conteúdo programático: Introdução à Literatura: definições e conceitos fundamentais (leitura, texto, intertexto, contexto). Aprofundamento sobre a questão da leitura: história dos hábitos de leitura, da paixão pelos livros e, por outro lado, de sua destruição ao longo dos séculos.

Metodologia: Aulas expositivas e dialogadas sobre o conteúdo das páginas 1 a 10 da apostila Literatura 1M1. Apresentação, com auxílio da lousa digital e recursos multimídia, de diferentes formas de arte (música, artes visuais, artes performáticas, escultura) que dialogam com os conteúdos. Fixação do conteúdo através dos exercícios da apostila e perguntas abertas feitas à classe de modo a estimular a participação e o debate.

Objetivo: Apresentar os conceitos fundamentais da Literatura que serão utilizados nos demais anos do Ensino Médio.

Tarefa: Atividades das páginas 2 e 3 da apostila Literatura 1M1.

MARÇO

8 dias letivos: 2, 4, 11, 16, 18, 23, 25, 30.

Conteúdo programático: Ficção, intertextualidade e figuras de linguagem. Primórdios da representação literária: mitologia e arte greco-romana.

Metodologia: Aulas expositivas e dialogadas sobre o conteúdo das páginas 11 a 39 da apostila Literatura 1M1. Apresentação, com auxílio da lousa digital e recursos multimídia, de diferentes formas de arte (música, artes visuais, artes performáticas, escultura) que dialogam com os conteúdos. Fixação do conteúdo através dos exercícios da apostila e perguntas abertas feitas à classe de modo a estimular a participação e o debate.

Objetivo: Apresentar e aprofundar os conceitos de ficção e intertextualidade, que serão utilizados nos demais anos do Ensino Médio. Identificar e utilizar figuras de linguagem recorrentes na Literatura (metáfora, metonímia, elipse, pleonasmo, anáfora, entre outras). Conhecer os principais elementos da mitologia greco-romana e a persistência de sua influência até os dias de hoje.

Tarefa: Atividades das páginas 7 a 40 da apostila Literatura 1M1. Pesquisa Orientada sobre a relação entre Samba e Literatura.

ABRIL

Dias letivos: 2, 4, 11, 16, 18, 23, 25, 30.

Conteúdo programático: Continuação do conteúdo de Março: Ficção, intertextualidade e figuras de linguagem. Primórdios da representação literária: mitologia e arte greco-romana.

Metodologia: Aulas expositivas e dialogadas sobre o conteúdo das páginas 11 a 39 da apostila Literatura 1M1. Apresentação, com auxílio da lousa digital e recursos multimídia, de diferentes formas de arte (música, artes visuais, artes performáticas, escultura) que dialogam com os conteúdos. Fixação do conteúdo através dos exercícios da apostila e perguntas abertas feitas à classe de modo a estimular a participação e o debate.

Objetivo: Apresentar e aprofundar os conceitos de ficção e intertextualidade, que serão utilizados nos demais anos do Ensino Médio. Identificar e utilizar figuras de linguagem recorrentes na Literatura (metáfora, metonímia, elipse, pleonasmo, anáfora, entre outras). Conhecer os principais elementos da mitologia greco-romana e a persistência de sua influência até os dias de hoje.

Tarefa: Atividades das páginas 7 a 40 da apostila Literatura 1M1. Pesquisa Orientada sobre a relação entre Samba e Literatura, etapa 2: redação do texto-base, organização dos capítulos e finalização.

MAIO

Dias letivos: 2, 4, 11, 16, 18, 23, 25, 30.

Conteúdo programático: Escolas literárias; períodos literários: definições, características e problemas.

Metodologia: Aulas expositivas e dialogadas sobre o conteúdo das páginas 1 a 9 da apostila Literatura 1M2. Apresentação, com auxílio da lousa digital e recursos multimídia, de diferentes formas de arte (música, artes visuais, artes performáticas, escultura) que dialogam com os conteúdos. Fixação do conteúdo através dos exercícios da apostila e perguntas abertas feitas à classe de modo a estimular a participação e o debate.

Objetivo: Identificar, através da leitura de textos de diversos gêneros e épocas, as diferentes escolas e períodos literários que surgiram ao longo da história. Problematizar a noção de “escola literária” a fim de que se percebam suas limitações estéticas e políticas, bem como seu papel na formação do cânone.

Tarefa: Atividades das páginas 1 a 9 da apostila Literatura 1M2.

JUNHO

Dias letivos: 2, 4, 11, 16, 18, 23, 25, 30.

Conteúdo programático: Quinhentismo brasileiro.

Metodologia: Aulas expositivas e dialogadas sobre o conteúdo das páginas 10 a 20 da apostila Literatura 1M2. Apresentação, com auxílio da lousa digital e recursos multimídia, de diferentes formas de arte (música, artes visuais, artes performáticas, escultura) que dialogam com os conteúdos. Fixação do conteúdo através dos exercícios da apostila e perguntas abertas feitas à classe de modo a estimular a participação e o debate.

Objetivo: Discutir as representações do Brasil no século XVI, a literatura informativa dos cronistas portugueses e a literatura pedagógica e catequista dos jesuítas.

Tarefa: Atividades das páginas 11 a 20 da apostila Literatura 1M2.

JULHO

Dias letivos: 2, 4, 11, 16, 18, 23, 25, 30.

Conteúdo programático: Barroco; Padre Antônio Vieira; Gregório de Matos.

Metodologia: Aulas expositivas e dialogadas sobre o conteúdo das páginas 1 a 20 da apostila Literatura 1M1 – Barroco. Apresentação, com auxílio da lousa digital e recursos multimídia, de diferentes formas de arte (música, artes visuais, artes performáticas, escultura) que dialogam com os conteúdos. Fixação do conteúdo através dos exercícios da apostila e perguntas abertas feitas à classe de modo a estimular a participação e o debate.

Objetivo: Conhecer as manifestações artísticas barrocas, a ligação entre a Literatura barroca e as demais artes e o contexto histórico no qual o Barroco surgiu; ler e discutir textos de autores correspondentes a essa estética.

Tarefa: Atividades das páginas 3 a 20 da apostila Literatura 1M1 – Barroco.

1º ano: planejamento anual

I.      IDENTIFICAÇÃO

INSTITUIÇÃO: Centro Educacional Barreiros – CEB
PROFESSOR Sandro Brincher
DISCIPLINA: Literatura
SÉRIE 1º ano do Ensino Médio

II.      JUSTIFICATIVA

É possível ensinar Literatura? É possível aprender Literatura? Num mundo cada vez mais técnico, informatizado, automatizado e objetivo, para que se ensina uma disciplina que não pretende construir casas, robôs e aviões, nem mesmo curar doenças? A disciplina de Literatura, ao menos da forma como pretendemos ministrá-la hoje nesta instituição, justifica-se duplamente: primeiro, pela busca por tais respostas, em toda a sua complexidade e com toda a discussão que acarretam. Segundo – e aqui já ensaiamos uma resposta mais objetiva –, pelo admissão de que, sim, de fato não construímos casas, robôs ou aviões (exceto em termos ficcionais); tampouco curamos gripes, fraturas ou carências nutricionais. Por outro lado, com a Literatura se pode construir caráter, conhecimento e cultura. Através dela, pode-se entender de que forma as grandes transformações da humanidade se refletiram em sua educação estética e de que forma seu impulso artístico – e, portanto, criativo – gerou outras transformações. Através dela, pode-se também amenizar a carência de algo que cada vez mais se torna raro num mundo tão conturbado: nosso próprio senso de humanidade. A Literatura é, portanto, capaz de mudar as pessoas, tornando-as agentes de transformação do mundo e da sociedade. É nessa capacidade fundamental que seu ensino se alicerça e se justifica.

III.      OBJETIVOS

Objetivos gerais

  • Desenvolver habilidades de análise, interpretação e crítica de textos literários e não-literários.
  • Estimular o gosto pela leitura e pelas diversas manifestações artísticas que acompanham o fazer literário ao longo da história.
  • Reconhecer e comparar formas literárias distintas.
  • Associar movimentos estéticos e literários aos seus contextos históricos e sociais.
  • Identificar os discursos subjacentes às obras literárias.
  • Aprimorar as habilidades de redação segundo o padrão culto da língua.
  • Reconhecer diferentes modalidades de uso da língua, possibilitando ao aluno o trânsito entre elas.
  • Estimular o exercício da escrita criativa como forma de expressão individual.

Objetivos específicos

  • Identificar modelos e padrões estéticos e estabelecer relações entre eles.
  • Compreender a origem e a evolução da Língua Portuguesa através da Literatura.
  • Entender os recursos presentes nas produções medievais, relacionando-os às outras artes e a questões da atualidade.
  • Produzir textos ficcionais como forma de aprimoramento das habilidades de redação.

IV.      CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

  1. Introdução à Literatura.
    1. Leitura, uma paixão;
    2. Ficção e intertextualidade;
    3. Primórdios da representação literária: mitologia e arte greco-romana;
  2. Escolas literárias: definições, características e problemas.
  3. Quinhentismo brasileiro.
  4. Barroco
    1. Padre Antônio Vieira;
    2. Gregório de Matos.
  5. Arcadismo.
  6. Poesia romântica.
    1. Geração Indianista ou Nacionalista;
    2. Geração Mal do Século ou Ultrarromântica;
    3. Geração Condoreira.
  7. Prosa Romântica.
    1. Romances urbanos;
    2. Prosa indianista;
    3. Prosa regionalista;
  8. Teatro romântico.

V.      METODOLOGIA

  • Aulas expositivas e dialogadas.
  • Leitura dirigida de textos literários.
  • Estudo e interpretação de textos literários.
  • Exercícios de reconhecimento em textos literários e trechos de músicas.
  • Produção de textos ficcionais.
  • Representação em grupo de cenas de textos dramáticos.
  • Aulas expositivas e exercícios de fixação.
  • Exercícios do livro didático.

VI.      MÉTODOS, CRITÉRIOS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO

  • Prova: uma prova com o conteúdo das unidades estudadas durante o trimestre; vale 50% da nota total;
  • Redação: produção de 2 (dois) textos ficcionais a cada trimestre; cada texto vale 20% da nota total, totalizando 40%.
  • Participação: atividades extra-classe e atividades feitas em sala de aula, em grupos; o conjunto desta vale 10% da nota total.